Faça AQUI o teste de
Controlo da sua Asma

A importância do controlo da asma para uma vida sem limitações

A importância do controlo da asma para uma vida sem limitações Filipa Todo Bom, Médica Pneumologista no Hospital Beatriz Ângelo

O objetivo deste tratamento é ter um bom controlo dos sintomas, que permita ao doente asmático manter uma vida normal, sem se sentir limitado na sua atividade diária.

Tem vindo a ser reconhecida cada vez mais como uma doença heterogénea, ou seja, os doentes asmáticos não são todos iguais. Existem doentes alérgicos e não alérgicos, doentes com sintomas desde a infância ou com queixas apenas na idade adulta, por exemplo. Reconhecem-se também vários fatores que podem desencadear o aparecimento de sintomas, como os alergénios inalados existentes no meio ambiente (ácaros, pólens, epitélios de animais, fungos,…), alergénios alimentares, alguns fármacos, e fatores como a exposição a fumos, cheiros ativos, exercício físico ou frio, entre outros.

Qualquer que seja o tipo de asma diagnosticada ou o fator precipitante identificado, o passo seguinte é tratá-la, visto que a existência de sintomas reduz de forma significativa a qualidade de vida destes doentes. Para tal, existe a chamada terapêutica de manutenção (geralmente por via inalada), que o doente deve fazer diariamente, de acordo com a indicação do médico e a terapêutica de alívio, utilizada apenas nas crises. A asma pode ainda estar associada a outras patologias como a rinossinusite, o refluxo gastro-esofágico ou a ansiedade/depressão, que também têm de ser diagnosticadas e tratadas corretamente.

Como em qualquer doença crónica, também na asma é fundamental a relação entre o médico e o doente, devendo este último ter o conhecimento e a confiança para fazer ajustes na sua terapêutica sempre que necessário. O doente não deve ter medo de “ficar dependente” dos inaladores, como muitos referem. Deve, sim, estar informado de que tem uma doença crónica, e como tal tem de fazer o tratamento recomendado.

O objetivo deste tratamento é ter um bom controlo dos sintomas, que permita ao doente asmático manter uma vida normal, sem se sentir limitado na sua atividade diária, minimizando em simultâneo o risco de exacerbações. O doente deve saber que é possível praticar todo o tipo de desportos, viajar e passear, desde que tenha um bom controlo da asma.

Infelizmente, e apesar de toda a terapêutica disponível atualmente, estima-se que 43% dos doentes não tenham a sua asma controlada. Isto tem implicações quer em termos de morbilidade e mortalidade, quer em termos de custos. O mau controlo da asma traduz-se por idas ao serviço de urgência, utilização de terapêutica adicional e dias de absentismo escolar e laboral.

É importante referir, que a perceção do controlo da asma é muito variável, estimando-se que 88% dos asmáticos que não estão controlados acham que têm a sua doença controlada. Isto também significa que muitos doentes adaptam a sua vida e os seus níveis de atividade, em função da doença, de modo a terem poucos ou nenhuns sintomas.

Por tudo isto, é essencial que o doente adira ao tratamento prescrito, uma vez que, com a terapêutica adequada, é possível viver sem sintomas e ter uma vida sem limitações.

Fonte: Artigo publicado no Dossiê Especial Saúde, suplemento integrante do Diário de Notícias e Jornal de Noticias de 18 de abril de 2017

PRT/AST/0002/17l Data de preparação: Julho 2017